Reportagem do Mini-Festival Anarquismo Não-Caos

Date:

Neste último sábado, dia 30 de setembro, vimos o Dungoe Bar na cidade de Derry [Irlanda], sediar um dia de conversas, filmes e músicas anarquistas, promovidos pelo Movimento de Solidariedade dos Trabalhadores [Workers Solidarity Movement]. O evento que foi organizado por membros locais do WSM de Derry, viu pessoas vindas de Dublin, Suíça, Copenhegem e Belfast, assim como as agrupações locais para se discutir idéias anarquistas.Gregor Kerr, secretário da Federação da Campanha Anti-Cobrança de Água de Dublin, deu o pontapé inicial com uma discussão acerca de como a cobrança de água foi derrotada na República e o papel dos anarquistas que estiveram nessa luta. A atual campanha do Norte para derrubar a “taxa da torneira” foi discutida com atualizações da campanha fornecidas por um compa do “Organise!”, grupo anarquista de Belfast, e Eamonn McCann da SWP.

Julia Doherty do WSM, deu então uma introdutória conversa sobre anarquismo, cobrindo história, teoria e prática, para depois seguir a um vivo debate sobre violência, dominância masculina-branca no anarquismo e republicanismo.

Com estandes da Just Books, WSM e Mujeres Libres, Derry estava oferecendo tudo em mãos, desde panfletos e livros, à bandeiras e camisetas. O grupo Mujeres Libres tinha o estande mais criativo, dispondo de camisetas comemorando “Liberdade à Derry”, a “Comuna de Paris”, a “Espanha 1936” e o “Soviete de Limerick” como “Zona Autônoma Temporária”, com logotipos legais na frente e atrás.

Ramor Ryan, autor de “Clandestino: O Diário Pirata de um Irlandês Exilado” [AK Press], deu uma explanação de seu livro para uma sala apinhada de gente no andar superior, seguido de uma discussão. O livro cobre a vida dele desde “squats” do oeste de Berlim à Chiapas, através de situações “cabeludas” e emocionantes, valiosamente bem confirmadas quando se lançou o livro nesta quinta-feira em Dublin.

Um compa suíço encenou uma exibição “humorística” sobre violência policial que foi muito informativa e horripilante, embora na realidade eu não tenha visto o aspecto humorístico disto. Os perigos das balas de borracha em formatos de batons, gases lacrimogêneos e outras armas “menos letais” foram explicados, e a sanguinária realidade do estrago que estas armas causam foram projetadas num telão de dois metros. A mensagem foi muito relevante já que em Derry muitas destas armas ainda estão em uso.

Um show beneficente ao coletivo “Belfast Just Books” encerrou a noite com as bandas “Anti-State” e “Tin Pot Operation” tocando para um bar abarrotado de pessoas. Centenas de adesivos e informativos anarquistas foram distribuídos para a multidão assim como folhetos detalhando a campanha “Justiça para Terrence Wheelock”.

Este foi o segundo evento público da WSM em Derry, e a reação positiva que recebemos de muitas pessoas que participaram foi animadora. Embora o anarquismo ainda seja uma pequena corrente política na Irlanda, atualmente está crescendo e cidades caóticas como Derry, precisam de uma classe trabalhadora forte, organizada e unida para conseguir ir além do beco sem saída das idéias republicanas e “loyalistas” [movimento dos protestantes irlandeses].

Tradução: Marcelo Yokoi

Like what you're reading?
Find out when we publish more via the
WSM Facebook
& WSM Twitter